CSS Shenandoah 1864

CSS Shenandoah 1864

$523

Nível de competência

4

Escala

1 a 84

Comprimento

42,5" (1080mm)

Altura

22,4" (570 mm)

Fabricante

Estaleiro naval para modelistas

SKU

MS1016

Kit do navio modelo CSS Shenandoah – Estaleiro Modelista (KTMS1016)

O kit do icónico navio CSS Shenandoah está agora disponível para pré-encomenda. O kit será lançado em meados de abril de 2024 – o 159º aniversário do fim da Guerra Civil Americana.

O stock é limitado para este kit de navio modelo premium do CSS Shenandoah.

O CSS
Shenandoah
1864 é fabricado pela Modellers Shipyard. A Modellers Shipyard oferece kits de modelos de navios e barcos de madeira historicamente exactos, que são interpretações fiéis das embarcações originais.

Todos os kits da Modellers Shipyard vêm com instruções de construção em inglês altamente detalhadas com fotografias a cores que mostram todas as fases da construção do kit. O kit pode ser apresentado como Shenandoah ou Sea King, uma vez que ambas as placas de identificação estão incluídas no kit.

Tal como acontece com todos os novos kits de navios da Modellers Shipyard, as anteparas têm linhas de carenagem marcadas a laser que garantem que a carenagem das anteparas é fácil, exacta e simétrica – esta caraterística é exclusiva dos kits de navios da Modellers Shipyard.

Ver as instruções para o navio CSS Shenandoah

Os detalhes do kit são: Escala: 1:84, Comprimento: 1080mm, Largura: 260mm, Altura: 570mm

História do CSS Shenandoah 1864

O CSS Shenandoah, antigo Sea King, era um navio com armação de ferro, pranchas de teca, com motor a vapor auxiliar, comandado pelo comandante da Marinha dos Estados Confederados, James Waddell, um norte-caroliniano com vinte anos de serviço anterior na Marinha dos Estados Unidos.

Durante 12 meses e meio de 1864-1865, o navio efectuou incursões comerciais que resultaram na captura e no afundamento ou na ligação de trinta e oito navios mercantes da União, na sua maioria navios baleeiros de New Bedford. Este navio é conhecido por ter disparado o último tiro da Guerra Civil Americana, contra um baleeiro nas águas ao largo das Ilhas Aleutas.

O Sea King foi construído no rio Clyde, na Escócia. Concebido como um navio de transporte comercial britânico para o comércio de chá na Ásia Oriental e para o transporte de tropas, a sua viagem inaugural foi o transporte de tropas britânicas para a Nova Zelândia. O Governo Confederado comprou-o em setembro de 1864 para ser utilizado como cruzador armado para capturar e destruir navios mercantes da União.

A 8 de outubro, zarpou de Londres com destino a Bombaim, na Índia, numa viagem comercial. O navio Laurel, que transportava oficiais e o núcleo da tripulação do Sea King, juntamente com armas navais, munições e provisões, encontrou-se no Funchal, na Madeira. O comandante, tenente James Iredell Waddell, supervisionou a sua conversão em navio de guerra em águas próximas. No entanto, Waddell mal conseguiu reduzir a sua tripulação para metade, mesmo com voluntários adicionais do Sea King e do Laurel.

O novo cruzador entrou em serviço a 19 de outubro e o seu nome foi alterado para Shenandoah. O navio, comandado pelo Capitão Waddell, contornou então o Cabo da Boa Esperança de África até à Austrália. Em Melbourne, Victoria, em janeiro de 1865, Waddell obteve mais homens e provisões.

De acordo com os conceitos de operação originados no Departamento da Marinha Confederada e desenvolvidos pelos seus agentes na Europa, o Shenandoah foi designado para “procurar e destruir totalmente” o comércio em áreas ainda não perturbadas (ou seja, atacar os navios da União) e, posteriormente, a sua rota passou a ser a perseguição de navios mercantes na rota do Cabo da Boa Esperança-Austrália e da frota baleeira do Pacífico.

No caminho para o Cabo, recebeu seis prémios. Cinco destes navios foram incendiados ou afundados, depois de o capitão Waddell ter resgatado em segurança a tripulação e os passageiros; o outro foi afiançado e utilizado para o transporte de prisioneiros para a Bahia, no Brasil.

CSS Shenandoah visita a Austrália

Ainda com pouca gente, embora a sua tripulação tivesse sido aumentada por alistamentos voluntários de prémios, o Shenandoah chegou a Melbourne, Victoria, em 25 de janeiro de 1865, onde preencheu o seu complemento e os seus armazéns.

Também recebeu 40 tripulantes clandestinos de Melbourne. No entanto, só foram alistados quando o navio estava fora dos limites legais das águas australianas. Os artigos de embarque mostram que todos estes 40 membros da tripulação se alistaram no dia da sua partida de Melbourne, a 18 de fevereiro de 1865. Dezanove dos seus tripulantes desertaram em Melbourne, alguns dos quais prestaram declarações de serviço ao cônsul dos Estados Unidos. Em 1871, uma audiência no Tribunal Internacional de Genebra atribuiu ao governo dos EUA uma indemnização de 820 000 libras contra a Grã-Bretanha pela utilização das instalações portuárias de Williamstown pelo navio CSS Shenandoah.

O Shenandoah ganhou apenas um prémio no Oceano Índico, mas a caça tornou-se mais rentável depois de ter sido reequipado em Melbourne. A caminho das zonas baleeiras do Pacífico Norte, em 3 e 4 de abril, Waddell incendiou quatro baleeiros nas Ilhas Carolinas. Depois de um cruzeiro de três semanas no gelo e no nevoeiro do Mar de Okhotsk, que apenas rendeu um único prémio, devido a um aviso que o tinha precedido, Waddell dirigiu-se para norte, passando as Ilhas Aleutas, para o Mar de Bering e o Oceano Ártico. O Shenandoah capturou mais 11 prémios.

CSS Shenandoah rende-se

Em 27 de junho de 1865, soube, através do prémio Susan & Abigail, da rendição do General Robert E. Lee, quando o capitão do navio apresentou um jornal de São Francisco que relatava a fuga do Governo Confederado de Richmond, Virgínia, 10 semanas antes. O mesmo jornal continha a proclamação do presidente confederado Jefferson Davis, após a rendição de Lee, de que a “guerra seria levada adiante com vigor renovado”. Em seguida, capturou mais 10 baleeiros no espaço de 7 horas nas águas logo abaixo do Círculo Polar Ártico. Só a 2 de agosto é que o Shenandoah se apercebeu da derrocada final da Confederação, quando encontrou o barco britânico Barracouta. Entre as notícias devastadoras, contava-se a rendição do General Joseph E. Johnston e dos seus vários exércitos (26 de abril), dos exércitos de Kirby Smith (26 de maio) e de Magruder e, fundamentalmente, a captura de Davis e de uma parte do seu gabinete. O capitão Waddell desarmou então o navio e regressou para se render em Liverpool.

Barracouta tinha vindo de São Francisco; Waddell dirigia-se para a cidade para a atacar, considerando-a fracamente defendida. De imediato, o Shenandoah sofreu alterações físicas. Foi desmantelado como um homem de guerra; a sua bateria foi desmontada e atingida por baixo, e o seu casco repintado para se assemelhar a um vulgar navio mercante.

Independentemente da proclamação de Davis e conhecendo a falta de fiabilidade dos jornais da época, o Capitão Waddell e a tripulação sabiam que regressar a um porto dos EUA significaria enfrentar um tribunal da União com uma perspetiva nortista da guerra. Previram corretamente o risco de serem julgados num tribunal americano e enforcados como piratas. Esta afirmação revelou-se mais tarde exacta. Os invasores do comércio não foram incluídos na reconciliação e amnistia que foi concedida aos soldados confederados. O Capitão Raphael Semmes da CSS Alabama escapou às acusações de pirataria ao render-se a 1 de maio de 1865 como General de Terra sob o comando de Joseph E. Johnston. Os antigos marinheiros de Semmes renderam-se como artilheiros.

O CSS Shenandoah foi assim entregue pelo Capitão Waddell ao Capitão do HMS Donegal em 6 de novembro de 1865, depois de viajar 9.000 milhas (14.500 km) até Liverpool para o fazer. Esta foi a última rendição da Guerra Civil Americana. Foi então entregue ao governo dos Estados Unidos. Os Registos de Guerra Naval dos Estados Unidos, publicados em 1894 como The Official Records of the Union and Confederate Navies in the War of Rebellion, referem “5 de novembro – Chegou ao Mersey, ao largo de Liverpool, e na segunda-feira, dia 6, entregou o Shenandoah à nação britânica, por carta a Lord John Russell, primeiro-ministro da Grã-Bretanha. (assinado) JAMES I WADDELL.”

Após a rendição do Shenandoah aos britânicos, estes tiveram de decidir o que fazer com a tripulação confederada, sabendo das consequências das acusações de pirataria.

Após uma investigação completa por parte dos oficiais da coroa, foi decidido que os oficiais e a tripulação não tinham feito nada contra as regras da guerra ou as leis das nações para justificar a sua detenção como prisioneiros, pelo que foram libertados incondicionalmente. Mas as autoridades dos Estados Unidos consideravam-nos piratas e tê-los-iam tratado como tal se tivessem caído nas suas mãos.

S.S. Lee, Orris M. Brown, John T. Mason e W. C. Whittle, em dezembro de 1865, navegaram de Liverpool para Buenos Aires, via Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo. Depois de um tempo de prospeção, foram para Rosário, no rio Paraná, e perto dali compraram um pequeno sítio e começaram a cultivar.

Quando a animosidade do Governo dos Estados Unidos começou a abrandar em relação a eles, Brown e Mason regressaram a casa, Lee e Whittle regressaram algum tempo depois.

Ao regressar a casa, Mason frequentou um curso de Direito na Universidade da Virgínia, licenciou-se e foi bem sucedido na sua profissão. Estabeleceu-se em Baltimore e casou-se com a Srta. Helen Jackson, de Nova Iorque, filha do falecido Tenente Alonzo Jackson da Marinha dos Estados Unidos.

O Shenandoah permaneceu no mar durante 12 meses e 17 dias, percorreu 58 000 milhas (levando a bandeira da Confederação à volta do globo pela única vez) e afundou ou capturou 38 navios, na sua maioria baleeiros. Waddell fez cerca de mil prisioneiros, sem uma única baixa de guerra entre a sua tripulação: dois homens morreram de doença. A razão pela qual o navio não teve quaisquer baixas de guerra prende-se com o facto de nunca ter estado envolvido numa batalha contra qualquer navio da Marinha da União, como aconteceu com o CSS Alabama, mas sim contra navios mercantes dos Estados Unidos.

Em 1866, os Estados Unidos, tendo tomado posse do Shenandoah, venderam-no ao primeiro sultão de Zanzibar, que lhe deu o seu próprio nome (El Majidi). Em 15 de abril de 1872, um furacão atingiu Zanzibar. O Shenandoah (El Majidi) era um dos 6 navios pertencentes a Seyed Burgash que foram lançados à costa e ficaram gravemente danificados.

O estandarte de batalha de Shenandoah faz parte da coleção do Museu da Confederação desde 1907 e está atualmente em exposição. O Tenente Dabney Scales CSN, deu a bandeira a uma prima, Eliza Hull Maury, para a guardar. Eliza Hull Maury era filha de Richard Launcelot Maury, que era o filho mais velho do Comodoro Matthew Fontaine Maury. O Coronel Richard Launcelot Maury CSA, irmão de Eliza, trouxe a bandeira de Inglaterra em 1873 e doou-a ao Museu em 1907. A bandeira propriamente dita mede 88″ x 136.”

Nível de competência

4

Escala

1 a 84

Comprimento

42,5" (1080mm)

Altura

22,4" (570 mm)

Fabricante

Estaleiro naval para modelistas

SKU

MS1016

Modelers Central. 2023, All rights reserved.

Get 10% off

your first order

10% off applies only to full-price items. By providing your email address, you agree to our Terms & Privacy Policy

Central de Modeladores. 2023, Todos os direitos reservados.

Obter 10% de desconto

a sua primeira encomenda

O desconto de 10% aplica-se apenas a artigos de preço total. Ao fornecer o seu endereço de correio eletrónico, concorda com os nossos Termos e Política de Privacidade

Obter 10% de desconto

a sua primeira encomenda

O desconto de 10% aplica-se apenas a artigos de preço total. Ao fornecer o seu endereço de correio eletrónico, concorda com os nossos Termos e Política de Privacidade

Obter 10% de desconto

a sua primeira encomenda

O desconto de 10% aplica-se apenas a artigos de preço total. Ao fornecer o seu endereço de correio eletrónico, concorda com os nossos Termos e Política de Privacidade